sábado, 24 de maio de 2014

Efêmero, não?

Me roubaste o que eu tinha
Como Bênção
E Maldição
Agora
Longe e sob tua posse é uma bênção
Inalcançável..
Qual o preço para ter
De volta
A saudosa efemeridade do meu coração?

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Labirinto

Perdi o controle
Confundi caminhos
Pensando que ainda era eu
Mas em fronteiras (mal) estabelecidas
Desapercebi o obvio- já não era eu
Era (d)ele
O que era essencialmente meu
Esvaiu-se
Correu pelas minhas veias
Se desviando do meu corpo
Se perdendo em tuas fibras
Uma confusão desmedida
Entre o que foi
É
E ainda- jamais será
O que era meu
E agora se esconde em ti
Que nunca foi meu
Mesmo eu sendo
Tu(a).

domingo, 12 de janeiro de 2014

E agora, você?

Foste pontual
Partiu na hora marcada
Ai de mim que me corto com tamanha exatidão
Corroida de saudade e vazio
Louca pela tua presença
Vagueando te olhando em tudo
Fugindo de ti
Tremendo ao sentir-te longe
Querendo teu ser
Fugindo do meu querer

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Dia D

De tanto
Dar de si
Doou o que era seu
                                  -Seu ser
Doou tanto
Doeu tanto
                                  -Por ficar
Desprovida de si.

Vazia por ter
Vivido uma
Vida
Vazia
                                   -Apenas
Viciada em
Vontade.

Toda
Torta
Torturada
                                  -Viciada em
Saudade
Saturada
                                 -(Do) Vazio.

Só.
                 

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Seríamos ultrarromânticos?

Cada dia menos direto
Mais subjetivo
Cheio de rodeios desnecessários.
Sentindo cada gota que cai em mim
Visualizando todos os tremores
Tendo calafrios em disparada...

Amores que causam enjoo
Cansam a alma fraca
Dopam a mente vulnerável.

Sendo assim... 
 Cortam cada pedaço de mim.
Sangra
Dói
Asfixia.

Sentir demais
-Eis minha maldição.

Saudade.

Eu tô com uma dúvida.
Não é efêmero? Ein?
Não era pra ser?
Porque essas lembranças todas estão contradizendo minhas certezas
Tão poucas, tão loucas
Mas, minhas.
Quem deu este tamanho direito?
  De tirar de minhas essas raridades mentais?
Não, calma.
Ainda estão comigo...
O que me incomoda são essas memórias...
De cada rua
Abraço
Beijo
Cheiro
Riso
Palavra
Música
Sabor
Brisa
Gesto
Toque
Filme
Mar
Tudo..
O prazo de validade está no fim,
por favor, vá na hora marcada.

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Nó.

Escrevas, transborde.
Talvez saia de dentro algo de doce
Algo de sincero.
Cale. Não diga.
Não ria.
Não minta.
Omita.

Pare com o drama falso
Com o ciúmes mascarado
Com a paciência vã.

Não me doa.
Que nada de ti me doa.
Que vá.
Que morra na minha efemeridade
Renasça talvez como sombra
Mas não permaneça como maremoto..
Peço-te.
Vá.
Fique...