domingo, 13 de novembro de 2011


Lua, leve-me para longe daqui
Longe de toda devastação
E devassidão que o homem constrói
E da corrupção que move os poderosos
Longe de toda ganância que derruba árvores
E longe o ódio que incendeia matas e almas
Longe de lixos e palavras que inundam cidades e corações
Longe de toda maldade que ignora a emoção e principalmente a razão
Esta que move verticalmente as nações
Longe de tudo que cresce
Belamente construído e constituído
Ao mesmo tempo devastado
Devorado
Afogado pela ambição do homem
Longe da inteligência que promove guerras
Dos visionários que queimam o futuro
Longe do ar que nos sufoca
Transformando a respiraçao num suicídio involuntário
Longe da asfixia das grandes cidades
Leve-me para longe daqui e para perto de lugar que se possa respirar
Sem sufocar
E que lá haja seres emocionais e racionais
Que olhem além do reflexo no espelho
E dos bolsos cheios de dinheiro.




sábado, 5 de novembro de 2011

O incompreensível não é o não perceptível
É aquilo que é visto tal qual arte abstrata
Não é, por vezes, um quadro exposto
Quase sempre é o bilhete rabiscado no fundo da mente
Aquilo que se sente
Mas se mente se interrogado pela mente.


O incompreensível é o ignorado 
É o devorado pela compreensão humana 
É aquilo que sufoca tal qual asfixia 
Que consome a sanidade e tudo que não vicia
É aquilo negado
Renegado
Injustiçado por ser mal interpretado 
É tudo aquilo que corta e não há modo que o regenere
Que sangra, marca e nada estanca
É aquilo que se faz presente mesmo que contente
Do mal que aparece de repente
Para o causador se faz indiferente.



Se toda rota muda como diz que muda
                                                                                   Atalho
Se toda vida continua a menos que pare
                                                                                  Morte
Se todos são bonzinhos até serem tentados
                                                                                  Imperfeito

Se tudo muda e não permanece C
                                                                     O       
                                                                        N
                                                                           S
                                                                              T
                                                                                 A
                                                                                    N
                                                                                       TE...
Por que fazer de conta que tudo tem que ser IgUaL?????