quarta-feira, 18 de novembro de 2009


 "Eu quero a sorte de um amor tranquilo,
Com sabor de fruta mordida,
Nós na batida no embalo da rede
Matando a sede na saliva.
Ser teu pão
Ser tua comida
Todo amor que houver nessa vida..."

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

palavras nunca são efêmeras...